Plano de Recuperação de Desastre: Saiba o que é e qual sua utilidade

Plano de Recuperação de Desastre: Saiba o que é e qual sua utilidade.

Sabemos que todo e qualquer empresário não espera que sua empresa sofra com problemas que podem colocar o seu negócio em risco. Mas devemos considerar que é melhor sempre pensar nessa possibilidade e se prevenir. E quando se fala em prevenção, não poderíamos deixar de trazer um post sobre plano de recuperação de desastre. Você sabe o que é? E o que isso significa? É o que veremos no post abaixo.

O que é Plano de Recuperação de Desastre?

Plano de de recuperação de desastre também conhecido como disaster recovery, trata-se de um documento que considera equipamentos, equipe de colaboradores, a rotina de um negócio e suas soluções tecnológicas. Dessa forma, com base nessas informações, o plano aponta quais medidas devem ser tomadas para minimizar problemas e perdas ocasionados por impasses diversos. Como por exemplo, fatores naturais (como incêndios e inundações), falhas tecnológicas, ou por ataques cibernéticos.

A ideia do plano de recuperação é desenvolver esse documento como estratégia de prevenção e disponibilizá-lo para os colaboradores, sobretudo aqueles que tenham papel crucial na execução das ações de recuperação. Sendo assim, seu objetivo é garantir que a empresa seja capaz de apresentar soluções rápidas e evitar maiores complicações ou prejuízos.

Como funciona a elaboração desse plano?

É imprescindível que o plano de desastre seja desenvolvido com base na realidade da sua empresa, nele deve conter todas as orientações possíveis de serem seguidas e explicadas de maneira clara e objetiva. Dessa forma, abaixo veremos algumas informações que é preciso para chegar a um bom plano de recuperação.

Analisar toda a infraestrutura de TI da empresa:

Para identificar a situação dos equipamentos e da rede utilizados na rotina de trabalho;

Identificar as fraquezas e possíveis riscos da empresa:

Reconhecer as falhas de segurança e outros fatores que exponham a empresa a possíveis riscos e, ainda, apontar quais seriam esses riscos para entender o que poderia levar a uma situação de desastre;

Determinar medidas para administrar essas fraquezas e reduzir riscos:

Para que a empresa e seus colaboradores conheçam as ações necessárias, evitando problemas e minimizando suas consequências;

Denominar os colaboradores:

Em uma situação de desastre, os colaboradores precisam estar cientes de suas funções para colocar em prática medidas de segurança ou recuperação e outras ações protetivas. Como por exemplo, a realização das rotinas de backup e contato com empresas que prestem suporte ao departamento de TI;

Definir as medidas prioritárias:

Com base nos serviços mais fundamentais para a empresa, visando garantir que as medidas de recuperação priorizem o que é mais fundamental e valioso para o negócio;

Criar um checklist de recuperação:

Para guiar a realização das medidas e melhorar o direcionamento da equipe;

Documentar medidas e responsáveis:

Para que toda empresa tenha acesso a essas informações, saiba como proceder e a quem recorrer em caso de desastres.

A importância de possuir um auxílio profissional

Quando uma empresa possui em seu quadro de funcionários, uma equipe de TI devidamente capacitada e com disponibilidade para elaborar o plano de recuperação de desastre, fica muito mais fácil criar esse plano de recuperação com um nível mais elevado. Dessa forma, se a sua empresa não possui esse tipo de funcionário capacitado, o recomendado seria buscar ajuda com especialistas terceirizados. Já que, é uma alternativa interessante porque, além de conhecimentos para a elaboração de um plano sólido e claro, os especialistas têm conhecimento para identificar riscos e corrigir falhas de segurança. Dessa forma, acaba diminuindo as chances da empresa passar por qualquer tipo de desastre.

Gostou do nosso post? Deixe seu comentário abaixo.

Compartilhar

Apaixonada por tecnologia e inovação. Sempre buscando mais conhecimento e qualificação nessa área. Atualmente cursando Administração na Universidade do Planalto Catarinense. Possuo bom relacionamento interpessoal, boa comunicação, pró-atividade e dedicação.